Segunda, 25 de Outubro de 2021
25°

Pancada de chuva

Caeté - MG

Educação HISTÓRIA MUNDIAL

Idade Média – A DURA VIDA NO PRIMEIRO MILÊNIO

Confira na Coluna ''História Blog'' com o Professor Paulo Alexandre

23/09/2021 às 09h00 Atualizada em 23/09/2021 às 09h17
Por: Redação Fonte: História Blog
Compartilhe:
'A luta do carnaval e a quaresma', alegoria das preocupações medievais | Crédito: Brueghel o Jovem
'A luta do carnaval e a quaresma', alegoria das preocupações medievais | Crédito: Brueghel o Jovem

 

Texto originalmente publicado na revista Veja, em julho de 1999 [com adaptações]

O escritor italiano Umberto Eco, autor do bestseller O Nome da Rosa, conta como o cultivo de leguminosas como feijão, ervilha e lentilha – salvou a Europa de morrer de desnutrição na virada do primeiro milênio da era cristã. Eram tempos duros, em que as pessoas morriam de fome ou viviam doentes por causa da alimentação precária. O desenvolvimento do cultivo das leguminosas mudou tudo. Fontes de proteína, elas substituíam a carne escassa, A pecuária praticamente não existia e caçar era um privilégio dos nobres. Com a nova dieta, os camponeses tornaram-se mais robustos e resistentes a doenças. A expectativa de vida aumentou significativamente e a mortalidade infantil decaiu. Os avanços na agricultura descritos por Eco não param por aí. Novas ferramentas agrícolas também começaram a ser usadas, entre elas um tipo de arreio que aumentava a eficiência dos cavalos ao puxar o arado. Em vez de ser presa no pescoço do animal, a armação de couro ficava sobre os músculos do peito, permitindo maior impulsão. Resultado: em apenas dois séculos, a partir do ano 1000, a produção agrícola multiplicou-se por cinco. Na França, a população triplicou. A circulação de pessoas e mercadorias acelerou-se, e as cidades, que não passavam de pequenos centros de artesãos, transformaram-se em grandes núcleos populacionais.

Agricultura medieval

A curiosidade a respeito de como a humanidade vivia e enfrentou a virada do primeiro milênio nunca foi tão grande como agora. Às vésperas do ano 2000, dezenas de artigos, ensaios e livros foram publicadas sobre o assunto. Uma dessas novidades foi o livro O Ano 1000, escrito pelos jornalistas ingleses Robert Lacey e Danny Danziger. A população mundial na virada do milênio era de 300 milhões de pessoas. A maioria delas habitava lugares desconhecidos dos europeus, como a China, a África e a Índia. Noventa por cento dos europeus viviam no campo, subordinados aos senhores feudais. Na Inglaterra, as lOO palavras mais usadas na língua inglesa atual já faziam parte do vocabulário da população, que, no entanto, era completa mente analfabeta. Lia-se e escrevia-se apenas nos mosteiros, depositários dos pergaminhos gregos e latinos que sobreviveram às invasões bárbaras. Nesses conventos, as regras previam cinco banhos para cada monge – por ano. Em toda a Europa, só na Dinamarca havia o hábito de tomar banho aos sábados e escovar os cabelos. No fim do século X, a civilização medieval já tinha seu próprio Viagra. Era uma planta chamada agrimônia, cujas flores fervidas no leite combatiam a impotência. Se fossem fervidas na cerveja, o efeito era contrário.

Sobreviver nos anos finais do primeiro milênio não era tarefa fácil. Nos séculos anteriores, invasões de bárbaros, saques, epidemias, fome e miséria destruíram tudo o que os romanos haviam construído no maior império até então visto pela humanidade. Estradas, aquedutos e ci-dades viraram ruínas e foram tomados pelo• mato, da mesma forma que boa parte dos campos destinados ao cultivo voltou a ser floresta fechada. Vikings, húngaros, normandos e sarracenos invadiam de tempo a tempo a Europa Ocidental, a cavalo, a pé e até mesmo de barco pelos rios. Ninguém estava a salvo dos saques que atingiam indiscriminadamente castelos, mosteiros e cidades. Quando não eram os bárbaros, os senhores feudais e os membros do clero se encarregavam de explorar a imensa maioria da população. O povo vivia sob constante terror. Ninguém duvidava, naquela época, de que os mortos continuassem a viver em um mundo além-túmulo. Todos os povos, em especial na Europa, eram dominados pelas mesmas angústias. A cólera divina pesava sobre a humanidade e podia manifestar-se por este ou aquele flagelo. Era fundamental, portanto, garantir a graça de Deus, o que dava à Igreja um poder total sobre ricos e pobres.

A população acreditava piamente que o fim dos tempos estava próximo. O Livro do Apocalipse dizia que o demônio ficaria aprisionado por 1000 anos no abismo ao qual fora atirado pelo anjo de Deus e os padres medievais apregoavam essas escrituras pelos quatro ventos, associando o número da Bíblia à data mítica do novo milênio. Em 989, uma estrela dotada de uma imensa cauda assombrou os 38 milhões de pessoas que então habitavam a Europa. Aparecia no crepúsculo e sumia com os primeiros raios de sol. Em um dos raríssimos relatos da época que chegaram a nossos dias, o monge Radulphus Glaber, da Borgonha, conta que por três meses esse estranho corpo celeste ficou ali, no céu. Era apenas o cometa de Halley, aquele que a cada 76 anos circula nas vizinhanças da Terra. Para a população medieval, porém, pareceu o sinal inequívoco de que o fim dos tempos havia chegado. G1aber conta que, logo depois, incêndios devastaram cidades inteiras da Itália e da França atual, levando as pessoas a um pavor sem precedentes. Na prática, ocorreu o oposto do que muita gente temia. Já em 1003, segundo o cronista borgonhês, “parecia que a própria Terra, renovando a si mesma e atirando fora os tempos antigos, se vestia com um manto branco pontilhado de igrejas”. As cidades floresceram, enfeitadas por belos prédios, como palácios e catedrais.

As condições sanitárias nas cidades continuavam terríveis. Os esgotos a céu aberto tornavam o ar insuportável, principalmente no verão. Os ratos pululavam em meio ao lixo e era comum sentar à mesa de refeições acompanhado de um enxame de moscas. No século XIV, mais de 300 anos depois da passagem do cometa, chegou a verdadeira hecatombe que os europeus temiam. Uma epidemia de peste bubônica vinda do Oriente se instalou nos portos mercantis da Itália e dali se espalhou pelo resto do continente, ceifando um terço de toda a população. Pelo menos 25 milhões de mortos apenas no verão de 1348. A peste se propagava pelas pulgas e parasitas que viviam no pêlo dos ratos. Entre os relatos dessa época macabra, os cronistas registram que no convento de Montpellier, um daqueles onde os banhos eram escassos, não restou um único monge dos 45 que lá viviam.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
História Blog
História Blog
Sobre Paulo Alexandre é pernambucano, torcedor do Santa Cruz e professor de História.
Caeté - MG Atualizado às 12h42 - Fonte: ClimaTempo
25°
Pancada de chuva

Mín. 16° Máx. 25°

Ter 24°C 16°C
Qua 26°C 17°C
Qui 27°C 17°C
Sex 26°C 15°C
Sáb 21°C 12°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes