Quarta, 01 de Dezembro de 2021
18°

Pancada de chuva

Caeté - MG

Entretenimento FILMES

Crítica do filme: 'A Walk on the Moon'

Confira na Coluna ''Guia do Cinéfilo'' com Raphael Camacho

13/10/2020 às 19h54 Atualizada em 18/10/2020 às 17h46
Por: Raphael Camacho Fonte: Guia do Cinéfilo
Compartilhe:
Divulgação
Divulgação

 

Os indecifráveis códigos do amor. Debutando como diretor de longas-metragens no ano de 1999, com esse trabalho, o ator, produtor e cineasta Tony Goldwyn (o vilão do filme Ghost) tem o mérito de através das linhas do roteiro assinado pela ótima roteirista Pamela Gray, encontrar delicadeza e maturidade para mostrar conflitos e escolhas de uma mulher que faz reflexões sobre a vida de maneira introspectiva, tendo que optar ou não pela inconsequência e as certezas que encontra nas suas atitudes. O projeto conta com duas atuações fantásticas e emocionantes dos artistas Diane Lane e Liev Schreiber. Um filme que poucos conhecem e que merece ser encontrado.

 

 

 

Na trama, ambientada no verão do recheado ano de 1969 nos Estados Unidos, conhecemos Pearl (Diane Lane) e Marty (Liev Schreiber) um casal que vive seu cotidiano dentro da mesmice e que passa parte da estação mais quente do ano em uma espécie de retiro com outras famílias conhecidas. Ela é dona de casa enquanto ele conserta televisores para viver. Eles formam um belo casal, cheio de harmonia mas algo não está muito certo aos olhos de Pearl. Quando a protagonista conhece o caixeiro viajante, vendedor de blusas, Walker Jerome (Viggo Mortensen), desejos escondidos e uma vontade de imaginar e viver coisas diferentes da mesmice que vive ganham contornos dramáticos quando ela passa a ter um caso com Walker.

 

Uma mulher em crise existencial? Seria muito simplista de nossa parte analisar o filme sobre uma ótica tão sem argumentos. Em Walk on the Moon, um filme atemporal, observamos a todo instante Pearl deixar escapar a infelicidade como migalhas nos diálogos reflexivos com o marido. Vivendo dentro de um contexto, anda pela corda bamba das tradições em contraponto aos desejos escondidos. Os diálogos sobre sonhos não concretizados da protagonista e a sogra é algo profundo, um sentimental jogo de quebra cabeça, uma das sequências mais profundas e impactantes desse filme. Mas não é só com o marido que Pearl vive problemas, os conflitos com a filha deixam de ser coadjuvantes e se tornam cada vez mais explosivos. Vale o destaque também para a atuação da ganhadora do Oscar pelo filme O PianoAnna Paquin.

 

Inconsequência, liberdade limitada, woodstock. Com uma trilha sonora maravilhosa e bastante influente dentro dos contextos da história, Walk on the Moon mostra um recorte atemporal de uma família com problemas no casamento, na relação pais e filhos, e como a maturidade pode ser fator importante para entendermos melhor as escolhas que fazemos.

 

Oferecimento:

BANNERS-970x250.jpg

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Rio de Janeiro - RJ
Rio de Janeiro - RJ
Sobre o município
Guia do Cinéfilo
Guia do Cinéfilo
Sobre Raphael Camacho - Cinéfilo. Analista de Programação Audiovisual, Crítico de cinema, matemático nas horas vagas. Extremamente viciado em cinema, autor do livro: "Guia do Cinéfilo - Volume 1".
Caeté - MG Atualizado às 04h01 - Fonte: ClimaTempo
18°
Pancada de chuva

Mín. 18° Máx. 24°

Qui 26°C 17°C
Sex 25°C 16°C
Sáb 26°C 16°C
Dom 27°C 16°C
Seg 25°C 15°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes